Histórias lidas

Em destaque

podcast

podcast - Cópia (2)

podcast - Cópia (7)

podcast - Cópia (3)

podcast - Cópia (6)

podcast

podcast - Cópia

podcast - Cópia (4)

podcast

podcast

podcast

podcast

 

 

 

 

Anúncios

Da devastação

fogo m

primeiro
negociaram o fim da agricultura
de subsistência; e os pequenos
agricultores como já não precisavam
do estrume
para adubar os campos (com as leiras
abandonadas ou em pousio)
venderam o gado
e o tojo que ano após ano era cortado
para a cama dos animais
começou a crescer abundantemente
nos matos e ao redor das casas;

Continuar a ler

Mais bonito do que as sardas

montagem avó 1m

As rugas deviam simplesmente indicar o lugar onde os sorrisos estiveram.
Mark Twain

Aconteceu um ano no Zoo. Eu e a minha filha estávamos ao lado de uma avó e de uma menina com a cara toda pintalgada de sardas vermelhas e brilhantes. As crianças faziam fila, esperando que uma artista local lhes pintasse as caras, decorando-as com patinhas de tigre.

Continuar a ler

Uma segunda oportunidade

gota orvalho flor escrever claro m

A questão não é se iremos morrer, mas como iremos viver.

Joan Borysenko

Sentado na cama do hospital, Buddy sorriu e assegurou à esposa, Ruth, “Estarei de novo a dançar a valsa contigo muito em breve.” Ruth aquiesceu e apertou a mão dele um pouquinho mais. Ao olhar para o homem que amava, ela sabia que esta provação o tinha assustado muito mais do que ele alguma vez admitiria.

Continuar a ler

No meu bolso

bolso m

Eu tinha sete anos e meio quando o meu visto foi carimbado,
a 26 de Julho de 1939.

Houve aproximadamente 10000 crianças como eu que, no início da Segunda Guerra Mundial, vieram para a Grã-Bretanha.
Algumas eram ainda bebés. A maioria de nós era judia.
Cada uma tinha um lugar num transporte para crianças que nos levava para
longe da Europa Nazi.

Continuar a ler

Memórias e malmequeres

ramo primaveril px

Já vi coelhinhos fofos bem cedo pela manhã e cheirei o perfume de doninhas através da janela do meu quarto à noite. Assisti, impotente, ao voo picado de um bando de pássaros sobre os meus legumes quase prontos a comer e tentei, vezes sem conta, criar uma horta. Dir-se-ia que, quando a colheita começa a ficar pronta e eu começo a antecipar o sabor dos frutos do meu trabalho, tudo acaba por desaparecer.

Contudo, não posso queixar-me, pois, quando era criança, estraguei alguns jardins…

Lembro-me do verão dos meus seis anos. Era o último verão de liberdade antes de entrar para a escola. Os meus amigos e eu passávamos dias ociosos na piscina ou a construir fortes, e costumávamos acabar por invadir o jardim de uma vizinha.

Continuar a ler