Sobre contadores.destorias

Contadores d’Estórias é um grupo de professores de diversos graus de ensino (do básico ao superior) empenhado em incentivar o gosto pela leitura. Esta iniciativa não tem qualquer interesse financeiro e a apresentação destas histórias é feita apenas por motivos pedagógicos. estorias.em.portugues@gmail.com

Pequeno Aguadeiro

aguadeiro

Depois de um século da assinatura da Lei Áurea, o negro brasileiro ainda não experimentou sua verdadeira libertação. Não lhe prepararam caminhos em que pudesse enfrentar a nova realidade: participar do convívio social em pé de igualdade com os antigos senhores e seus descendentes. O importante é que o potencial que cada negro carrega está prestes a surgir para que se enriqueça mais e mais a terra brasileira.

Continuar a ler:

 

Uma viagem tranquila – Os sonhos e o simbolismo da passagem

Anry_Nemo porta m.jpg

Eu tinha um medo de morte da morte. Creio que todos temos medo da morte de uma maneira ou de outra, mas eu evitava pensar nela a todo o custo. Quando a minha companheira decidiu que queria um cão, adorei a ideia. Contudo, como sabia que o cão haveria um dia de morrer, resisti ao desejo dela o mais que pude. Acabámos com dois cães. No dia em que o primeiro deles morreu, eu estava a milhares de quilómetros de distância, algo que muito me aliviou. Senti-me como se tivesse evitado uma bala. Quando a minha avó morreu, chorei dias a fio e decidi não assistir ao funeral. Era uma situação com a qual não poderia lidar. Continuar a ler

Álcool

your-true-nature-by-christian-schloe m

Cresci numa pequena cidade bem próximo de Savannah, na Georgia, onde ninguém fechava as portas à chave durante a noite e a maior diversão era a noitada de futebol na escola secundária todas as sextas-feiras. O único crime de que se falava era a ocasional multa por excesso de velocidade e talvez, muito de vez em quando, estourasse uma briga ao sábado à noite no único bar da cidade. É uma cidade pequena e sossegada, onde os pais querem criar os filhos longe do crime e dos perigos de uma cidade grande, e onde os adolescentes sonham em partir à procura de algo maior e melhor. Continuar a ler

Uma colcha com história

colcha mulher m

Quando a minha bisavó Anna veio para a América, trazia o mesmo espesso casacão e as botas altas que usava no trabalho rural. Mas a família deixou de trabalhar a terra. Em Nova Iorque, o pai passou a carregar coisas para uma camioneta, e o resto da família fazia flores artificiais o dia todo.

 Todos tinham pressa, e havia sempre tanta gente na cidade! Não se comparava com a Rússia. Mas agora, esta era a sua casa, e a maioria dos vizinhos era exatamente como eles. Continuar a ler