Sobre contadores.destorias

Contadores d’Estórias é um blogue criado por um grupo de professores empenhados em incentivar o gosto pela leitura. Esta iniciativa possui apenas uma motivação pedagógica, não havendo, por isso, qualquer interesse financeiro envolvido. estorias.em.portugues@gmail.com

Sermos consumidores é tudo o que sabemos fazer

Terra m

As alterações climáticas exigem que consumamos menos, mas sermos consumidores é tudo o que sabemos fazer. As alterações climáticas não são um problema que possa ser simplesmente resolvido alterando o que compramos — um híbrido em vez de um todo-o-terreno, algumas compensações de carbono quando viajamos de avião. O seu cerne é uma crise resultante do consumo excessivo das pessoas comparativamente ricas, o que significa que os consumidores mais frenéticos vão ter de consumir menos para que os outros possam ter o suficiente para viver.

Continuar a ler

Tempo do clima

planeta animais m

 

Dessincronias

A crise do clima foi incubada nos nossos regaços num momento da história em que as condições políticas e sociais eram singularmente hostis a um problema desta natureza e magnitude — o final da década de 1980, o ponto da explosão da cruzada para disseminar o capitalismo desregulado por todo o mundo.

Continuar a ler

Um mundo em desagregação

planeta homens m

I

No crepúsculo do século XX, dizia-se que o mundo passaria a ser marcado por um “confronto entre civilizações” e especialmente entre religiões. Por mais angustiante que seja, essa previsão não foi negada pelos factos. Onde nos enganámos profundamente foi em supor que esse “choque” entre diferentes espaços culturais fortaleceria a coesão no interior de cada um deles. Ora, aconteceu o oposto. O que carateriza hoje a humanidade não é uma tendência para se reagrupar em conjuntos vastos, mas uma propensão à fragmentação, ao fracionamento, frequentemente com violência e acrimónia.

Continuar a ler

Quase tão leve

meditaçao

Naquela manhã de primavera o inesperado aconteceu, o velho monge não conseguiu voar. Havia feito suas abluções, havia meditado longamente e longamente repetido as palavras sagradas. Havia elevado o espírito, mas o corpo, ah! o corpo não abandonara seu peso.

Com certeza, pensou o velho penitenciando-se, faltou-me a fé. E humildemente voltou a purificar-se na água gelada e, nu no ar cortante, orou até sentir-se tomado pelo calor de mil sóis. Mas, luminosa embora sua alma, não houve meio do corpo pairar acima do chão.

Continuar a ler