1716 CARTAS

enNo dia 15 de novembro de 1942, disse o «Sim» ao meu noivo, orgulhosamente vestido com a sua farda do Exército dos E.U.A. Oito curtos meses depois, foi chamado para a frente de batalha na segunda guerra mundial, para local desconhecido no Pacífico e por tempo indeterminado.
Quando o meu jovem marido partiu, prometemos um ao outro escrevermo-nos todos os dias durante o tempo que estivéssemos separados. Decidimos numerar as cartas que enviássemos, de modo a sabermos se alguma se tinha perdido. Como nos escrevíamos diariamente, muitas vezes tínhamos pouco mais para dizer para além de «amo-te».
Mas em todas as cartas esta palavra estava sempre escrita.

A guerra levou o meu marido, médico-dentista do Exército, para a frente de batalha. Mas, quer ele estivesse no meio de uma batalha em Aleutians, Okinawa, ou nas Filipinas, Continuar a ler

Anúncios

Arcos de beleza

escrever palavras mm

Há muitos e muitos milhares de anos, a poesia aproximou-se do homem e tão próximos ficaram, que ela se instalou no seu coração. E começaram a ver o mundo conjuntamente estabelecendo uma inseparável relação que perdurará para sempre.

Continuar a ler em Ler e Pensar

A felicidade está nas pequenas coisas

f

Desfruta das pequenas coisas.
Um dia podem tornar-se as maiores da tua vida.

Robert Brault

Era um daqueles dias de múltiplos afazeres e eu já estava atrasada nas tarefas de casa.
Há séculos que não ia ao supermercado e faltava quase tudo na despensa. A roupa para lavar empilhava-se, cada vez mais, no cesto, e a casa tinha ultrapassado os meus, bastante flexíveis, padrões de limpeza. Como se isto não bastasse, tinha de entregar dois artigos e precisava, por isso, de passar algum tempo diante do computador.
Os meus quatro filhos não tinham aulas naquele dia. Encantados por estar em casa, perguntavam-me, constantemente, o que iríamos fazer. Mas eu sabia que os meus planos os iam desapontar. Nenhum deles era divertido e especial.
Quando acordaram, deram-se conta de que não tinham as taças de cereais prontas, porque não havia leite. Só cereais secos… e eles não gostavam muito… Também não havia ovos ou pão, o que reduzia em muito as opções do pequeno-almoço. Bem procurei Continuar a ler

A árvore dos lamentos

árvore da vida 3m

Numa pequena aldeia da Polónia vivia um rabino dotado de grande sabedoria. Os seus seguidores gostavam muito dele e vinham contar-lhe os seus desgostos com frequência. Passado algum tempo, o rabino cansou-se de ouvir as pessoas dizerem que os seus infortúnios eram maiores do que os dos seus vizinhos. Estavam sempre a fazer perguntas do género “Por que não sofre ele como eu sofro?”;“ Por que não tem ela um marido enervante como o meu?”; “Por que não tem ele uma mulher preguiçosa como a minha?”; “ Por que não tem ela dores de costas?”; “ Por que não vivem os filhos dele em casa sem contribuírem para as despesas como os meus fazem?”
Os queixumes continuaram de tal forma que o rabino teve uma ideia e anunciou a todos que iria ser celebrado um novo feriado. Continuar a ler