Sermos consumidores é tudo o que sabemos fazer

Terra m

As alterações climáticas exigem que consumamos menos, mas sermos consumidores é tudo o que sabemos fazer. As alterações climáticas não são um problema que possa ser simplesmente resolvido alterando o que compramos — um híbrido em vez de um todo-o-terreno, algumas compensações de carbono quando viajamos de avião. O seu cerne é uma crise resultante do consumo excessivo das pessoas comparativamente ricas, o que significa que os consumidores mais frenéticos vão ter de consumir menos para que os outros possam ter o suficiente para viver.

Continuar a ler

Um mundo em desagregação

planeta homens m

I

No crepúsculo do século XX, dizia-se que o mundo passaria a ser marcado por um “confronto entre civilizações” e especialmente entre religiões. Por mais angustiante que seja, essa previsão não foi negada pelos factos. Onde nos enganámos profundamente foi em supor que esse “choque” entre diferentes espaços culturais fortaleceria a coesão no interior de cada um deles. Ora, aconteceu o oposto. O que carateriza hoje a humanidade não é uma tendência para se reagrupar em conjuntos vastos, mas uma propensão à fragmentação, ao fracionamento, frequentemente com violência e acrimónia.

Continuar a ler

A primavera está a chegar…

quadro flores inserir dálias m1

É verdade que há medo. É verdade que há isolamento. É verdade que há açambarcamento. É verdade que há doença. É verdade que há mesmo morte.

Mas há quem diga que, em Wuhan, depois de tantos anos de ruído, é possível, de novo, ouvir os pássaros.

Há quem diga que, após algumas semanas de silêncio, o céu já não está tão poluído e voltou a ser azul e nítido.

Continuar a ler

Tempos

livro biblioteca cores m

Ler. Ler histórias durante o período de confinamento que temos de atravessar
em nome do regresso à vida.
Para voltarmos a ela o mais rapidamente possível.

Neste período insólito que estamos a atravessar em Espanha (e “no mundo em geral”) aprendemos muitas coisas em poucos dias: palavras de cunho recente, como “coronavírus” – e a sua variante química, COVID-19 – interpretações de diagramas perturbadores sobre a evolução da doença em diferentes países, nomes de virologistas, comportamentos de microrganismos, novas síndromes que se avizinham… Cada fenómeno que surge traz consigo o seu próprio glossário.

Continuar a ler

Árvores

mulher natureza 6m

Naquele tempo, as árvores pediam os meus cabelos.

Eu era alta, da altura da grande mocidade que me vivia, e as árvores tinham ramos que se curvavam para mim, e isso acontecia em todas as estações, ou então, nesse tempo eu era o verão e só sabia de flores e de frutos e mal tinha percebido a canção das seivas tronco acima, tronco abaixo.

Continuar a ler

A Sombra

duplo anelia pavlova m

Derivando das descobertas levadas a cabo por Sigmund Freud e Carl Gustav Jung, o arquétipo da sombra pessoal engloba toda uma reflexão, sintetizada no âmbito da psicologia das profundidades, sobre a profunda cisão que parece existir entre o lado luz e o lado sombra da psique humana, sendo este último caracterizado por “desejos não reconhecidos” e por “porções reprimidas da personalidade”.

Continuar a ler em: sonharsimbolos.wordpress.com

Vedações

barco refugiados px m

Acordo com um peso nos ombros. Somos um mundo feito de naufrágios, penso, agarrada às notícias desse mar do meio onde se sepultam os esfomeados.

Penso sempre em Agostinho da Silva que alertou para a chegada dos do sul a desnortear a Europa. Entristeço ao saber este lugar de ricos a erguer vedações farpadas para que não entrem os que nada têm senão, ainda, o desejo de viver.

Continuar a ler em: lerpensar.wordpress.com

O Tao da teia

teia aranha px

HÁ ALGUNS ANOS – e posso precisar a data em 1992, não apenas porque registrei o fato em meu diário, mas porque sei que estava convalescendo, num processo de tratamento de uma doença grave que dividiu minha vida em antes e depois – eu estava numa manhã de julho em casa em Manguinhos, sozinha com Luísa, minha filha, então com nove anos.

Continuar a ler em: Ler e pensar

 

A Viagem

 

anjo relógio m

A estação era fria. As pessoas caminhavam lentamente, arrastando pesadas malas. Num repente, comecei a ouvir alaridos de espanto. Uma velha vestida de branco, havia subido à torre do relógio e sem que ninguém soubesse como, sentou-se no ponteiro das horas. Os viajantes, aos poucos, foram abandonando a bagagem, concentrando-se por baixo da torre. Tentavam convencê-la a que descesse e ela recusava, dizendo não ser ainda a hora.

Continuar a ler

Repensar o pensamento, redesenhando fronteiras

amigos Felicia Marshall m

O nosso pensamento, como toda a entidade viva, nasce para se vestir de fronteiras. Desde a mais pequena célula aos organismos maiores, o desenho de toda a criatura pede uma capa, um invólucro separador. A verdade é esta: a vida tem fome de fronteiras. É assim que se passa e não haveria nada a lamentar. Porque essas fronteiras da natureza não servem apenas para fechar. Todas as membranas orgânicas são entidades vivas e permeáveis. São fronteiras feitas para, ao mesmo tempo, delimitar e negociar. O “dentro” e o “fora” trocam-se por turnos. Continuar a ler

Fadas: um sonho de infância

 

voar christian fred

Quem nunca quis na sua vida transformar-se em alguém especial, alguém com uma luz diferente e singular? Quem não terá desejado poder criar magia na sua vida, espalhando alegria, bom humor, criatividade, esperança, e todas as capacidades próprias daqueles seres míticos e diáfanos a que chamamos fadas?

Mesmo de forma inconsciente, sonhamos com o regresso ao nosso interior profundo, à casa da Alma, onde residem a Beleza, a Esperança, a Alegria e o Amor, feitos de uma autenticidade que já não somos capazes de encontrar no mundo em que vivemos.

Continuar a ler em: https://sonharsimbolos.wordpress.com

Homem novo

paz Sahar Ajami m

Culturalmente, é mais fácil mobilizar os homens para a guerra que para a paz. Ao longo da história, a Humanidade sempre foi levada a considerar a guerra como o meio mais eficaz de resolução de conflitos, e sempre os que governaram se serviram dos breves intervalos de paz para a preparação das guerras futuras. Mas foi sempre em nome da paz que todas as guerras foram declaradas. É sempre para que amanhã vivam pacificamente os filhos que hoje são sacrificados os pais… Continuar a ler

Ecologia espiritual

planeta pinterest m

Ao considerarmo-nos donos e senhores da Terra, arrogamo-nos o direito de a saquear a nosso bel-prazer. A destruição por de mais evidente no solo, na água, no ar, e em todas as formas de vida, é uma consequência da violência presente nos nossos corações. Esquecemo-nos de que nós próprios somos pó da Terra, de que respiramos o seu ar, e de que recebemos vida das suas águas.

Papa Francisco

Será que poderemos lidar de forma eficaz com a verdadeira natureza da tragédia ambiental se o fizermos de uma perspetiva puramente política, económica, ou até ecológica? Continuar a ler

As folhas da tília

mulher livro árvore m

Quero explicar-vos, amigos, por que motivo escrevo contos. Até há muito pouco tempo não me apercebera da magia que ficou presa às minhas mãos quando, em menina, brincava com as folhas da tília. Não podia guardar por mais tempo este maravilhoso segredo e por isso aqui deixo a minha história. Continuar a ler

A evolução humana

bebé 4 f

A evolução humana encontra-se marcada por uma série de diferenciações importantes, que são, ao mesmo tempo, normais e cruciais no contexto do desenvolvimento da consciência. Cada etapa de evolução permite-nos observar as etapas que a precederam, bem como as características que lhe foram adicionadas e que as transcendem. Continuar a ler

Doçura

menina-negra-a-ler-1f

Anita vende a doçura em frascos.

Enche-os de compota de fruta, tapa-os e cola-lhes uma etiqueta, mas, em vez de escrever compota disto ou compota daquilo, de mirtilos ou de pêssego, de marmelo ou de morango, arredonda a letra e escreve apenas Doçura. Senta-se no passeio com os frascos defronte, expostos no asfalto, junto aos pés, e não lhe faltam clientes. A compota vende-se muito bem e ninguém regressa para reclamar: quem compra julga que a doçura está toda nos olhos de Anita. Continuar a ler

Eu sei, mas não devia

janela-michael-swanson-m

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. Continuar a ler

O lado sombrio do quotidiano – A Sombra Coletiva

mascara-1m

Cada um de nós contém um Dr. Jekyll e um Mr. Hyde: uma persona agradável para uso quotidiano e um “eu” oculto e noturno que permanece silenciado a maior parte do tempo. Emoções e comportamentos negativos – tais como raiva, inveja, vergonha, falsidade, ressentimento, luxúria, cobiça, tendências suicidas e homicidas – permanecem ocultos imediatamente abaixo da superfície, mascarados pelo nosso “eu” mais adaptado às situações. No seu conjunto, são conhecidos em psicologia como a sombra pessoal, que continua a ser, para a maioria das pessoas, um território indomado e inexplorado. Continuar a ler

O lado sombrio do quotidiano – A sombra individual

mask-turnaround-mred

Em 1886, mais de uma década antes de Freud sondar as profundezas da escuridão humana, Robert Louis Stevenson teve um sonho altamente revelador: um homem, perseguido por um crime, engolia um certo pó e passava por uma mudança drástica de caráter, tão drástica que se tornava irreconhecível. O amável e laborioso cientista Dr. Jekyll transformava-se no violento e implacável Mr. Hyde, cuja maldade ia assumindo proporções cada vez maiores à medida que o sonho se desenrolava. Continuar a ler