1716 CARTAS

enNo dia 15 de novembro de 1942, disse o «Sim» ao meu noivo, orgulhosamente vestido com a sua farda do Exército dos E.U.A. Oito curtos meses depois, foi chamado para a frente de batalha na segunda guerra mundial, para local desconhecido no Pacífico e por tempo indeterminado.
Quando o meu jovem marido partiu, prometemos um ao outro escrevermo-nos todos os dias durante o tempo que estivéssemos separados. Decidimos numerar as cartas que enviássemos, de modo a sabermos se alguma se tinha perdido. Como nos escrevíamos diariamente, muitas vezes tínhamos pouco mais para dizer para além de «amo-te».
Mas em todas as cartas esta palavra estava sempre escrita.

A guerra levou o meu marido, médico-dentista do Exército, para a frente de batalha. Mas, quer ele estivesse no meio de uma batalha em Aleutians, Okinawa, ou nas Filipinas, Continuar a ler

Anúncios

A flor e o sino

bugart borboletas b m

Como é que uma flor e um sino podem caber na mesma história?

Há de ser difícil. A flor tão rasteira e o sino tão alto nada têm a ver um com o outro. Hão de pertencer a histórias diferentes.

Talvez sim e talvez não… Continuar a ler

A moça tecelã

a-moca-tecela-m

Acordava ainda no escuro, como se ouvisse o sol chegando atrás das beiradas da noite.
E logo sentava-se ao tear.
Linha clara, para começar o dia. Delicado traço cor da luz, que ela ia passando entre os fios estendidos, enquanto lá fora a claridade da manhã desenhava o horizonte. Depois lãs mais vivas, quentes lãs iam tecendo hora a hora, em longo tapete que nunca acabava.

Ler mais:

Pode continuar a ler em pdf