O génio do riquexó

riquexo-1

Chen era dono de muito pouco.

O riquexó de palhinha era a sua verdadeira riqueza pois, devido a ele, podia comprar uma tigela de arroz e, às vezes, conserva de carne com gengibre. Tinha ainda um grande chapéu que servia também de guarda-chuva. E, por último, dispunha de uma cabana de bambu, no alto de uma colina, com vistas para a baía de Hong-Kong.

Uma cabana, é exagero. A casa de Chen resumia-se a três tábuas e a um montão de folhas. Estava encostada ao muro de suporte de uma bela propriedade. Dele saíam ramos de jasmim que, no tempo da floração, ofereciam a Chen uma sombra perfumada. Continuar a ler

Anúncios

A moça tecelã

a-moca-tecela-m

Acordava ainda no escuro, como se ouvisse o sol chegando atrás das beiradas da noite.
E logo sentava-se ao tear.
Linha clara, para começar o dia. Delicado traço cor da luz, que ela ia passando entre os fios estendidos, enquanto lá fora a claridade da manhã desenhava o horizonte. Depois lãs mais vivas, quentes lãs iam tecendo hora a hora, em longo tapete que nunca acabava.

Ler mais:

Pode continuar a ler em pdf