Um lobo com pele de cordeiro

Duas semanas após o início do primeiro ano da faculdade, chegou um novo aluno para a nossa turma de biologia. Chamava-se Kyle. Após algumas semanas de aulas, Kyle pediu-me namoro. E eu, radiante, aceitei. Passaram-se alguns meses e tornámo-nos inseparáveis. Continuar a ler

Anúncios

A Viagem de Chase

Quando o meu pai e a minha madrasta souberam que não podiam ter um bebé, decidiram tornar-se uma família de acolhimento. A ideia de dar uma família a uma criança e, ao mesmo tempo, permitir que a nossa crescesse era precisamente aquilo que procurávamos. Passados muitos meses, Chase, um menino de dois anos, entrou nas nossas vidas. Continuar a ler

A história de Jip

A história de Jip, de Katherine Paterson

“Katherine Paterson mora numa pequena cidade do Estado do Vermont. Conhece bem a história da região, que tem estudado infatigavelmente e que serve de moldura a vários romances seus. As suas obras foram traduzidas em cerca de vinte línguas e distinguidas com numerosos prémios literários.

Se Jip, cujas aventuras os leitores irão descobrir, é uma personagem de romance, Put Nelson existiu realmente. Com efeito, na segunda metade do século XIX, há notícia de um homem do Estado do Vermont que vivia numa jaula, na quinta dos pobres em Hartford. Gostava de cantar para as crianças e repetia indefinidamente a mesma ária. A sua história figura nos arquivos da Vermont Historical Society e da Vermont State Library, onde a autora a encontrou.”

A história de Jip – Katherine Paterson from m_momento

Não sou um super-herói!

la

Tenho seis anos.
Estou no meu quarto.
As paredes são cor de laranja, gosto mesmo dessa cor.
Foi o meu pai que colocou o papel de parede.

A minha mãe costuma gritar muito alto. O meu pai também.
Os gritos fazem-me sempre medo, muito medo.
Ouço outros barulhos, acho que começaram a bater um no outro.
Nunca ouvi a minha mãe gritar assim.
Queria ir lá ver, queria que parassem, mas fico muito quieto na cama.

A minha mãe entra aos gritos no meu quarto, o meu pai veio atrás dela.
Ela quer que eu a proteja.
Ele agarra-a pelos cabelos e começa a puxá-la para fora do quarto.
Ela cai e ele dá-lhe pontapés. Até na cara.
Começo também a gritar.
Quero muito que ele pare, tem de Continuar a ler