Recantos, cantos e encantos…

livro-janela-3-mm

Um raio de sol entrava pela varanda aberta da sala e pousava o seu brilho intenso sobre a estante que, de alto a baixo, forra de livros, uma das paredes do corredor quase sempre sombrio . 

A maravilha daquele fulgor inesperado produzia um efeito delicioso, quase palpável que eu experimentava como uma dádiva ou uma revelação. Os livros, tocados assim pela luz, apeteciam mais do que nunca e nunca o desejo de se darem a beber me havia parecido tão vivo.

Lamentei ter de me apressar para sair, mas a magia do instante perseguiu-me ao longo do dia. Ao chegar a casa, infantilmente, fui espreitar o corredor. Estava envolvido na sua meia-luz habitual. O visitante dourado tinha desaparecido, evidentemente, cumprindo a ordem irrefutável do relógio.

Passei os dedos ao correr dos livros em gesto de acariciar e pensei que é possível, sim! É possível que os poemas andem por aí dispersos, esperando que alguém os colha como frutos ou flores.

É que hoje eu vi um bem de perto. Estava pousado sobre os meus livros e eu não tive tempo de o apanhar.

Lídia Borges

Advertisements