Uma viagem espiritual – Nicholas Sparks (sugestão de leitura)

Billy Milles; Nicholas Sparks
Uma viagem espiritual
Lisboa, Editorial Presença

David nunca esqueceria aquele Verão. Era então um rapazinho, que acabara de perder a sua irmã. Depois da morte da mãe, anos antes, ela era a fonte da sua alegria de viver. E agora que a perdera, o jovem índio mergulhara num desespero sombrio, e o seu pai começara a inquietar-se. Tinham sido anos muito duros, aqueles… felizmente, àquela família índia, discriminada pelos novos americanos, restava ainda o legado das suas tradições ancestrais. O pai viu o pesar que consumia o filho e compreendeu. Entregou-lhe o rolo de pele pintado à mão, gasto pelos anos. Daquelas imagens e símbolos emanava um poder misterioso. Foi esse o ponto de partida para uma estranha viagem, que mudou para sempre a vida de David.

Uma viagem espiritual

Excerto

A lição de um homem sentado sob a copa de uma árvore

O significado do quarto desenho

A felicidade é algo que cada um de nós pode aprender a controlar. O segredo está em saber como. Depois de descobrirmos o significado do quarto desenho, ficaremos de posse do maior segredo do mundo: como ser feliz em cada dia da nossa vida.

 

Porque já era tarde, os dois decidiram descansar. David tinha aprendido mais do que jamais supusera e estava exausto. O Homem indicou-lhe o quarto, e o jovem adormeceu quase de imediato. Nessa noite teve um sonho:

Encontrava-se num grande deserto. Areias brancas, branqueadas há muito pelos raios ardentes do sol, estendendo-se até onde a vista podia alcançar. Era em direcção ao horizonte que David precisava de ir, mas sabia que não ia conseguir. Tinha a língua inchada e ressequida, empapada de pó, rebentada e sangrando. Os braços estavam inchados pelas queimaduras causadas pelo sol, os olhos doíam-lhe devido à luminosidade do deserto e as pernas vacilavam sob o seu peso. Sentia-se ressequido por dentro e por fora. O corpo dizia-lhe que descansasse, que esperasse pelo anoitecer para continuar a viagem. Mas, em consciência, sabia que não existiria um anoitecer.

Estava no Deserto da Solidão, um lugar onde o cair da noite nunca chega.

Era um local de desespero e de tristeza. O sol nunca deixava de brilhar, os ventos nunca sopravam a favor, as areias nunca endureciam e o horizonte jamais era alcançado. Era uma vida de inferno, uma vida em que a dor se tornava companhia habitual e em que a esperança no futuro não existia. David sabia que não podia lutar contra o deserto, tal como não podia lutar contra qualquer outro aspecto da Mãe Terra. No final, tragá-lo-ia como havia tragado outros antes dele. Em breve morreria, sabia disso, e tinha medo embora esse medo não se devesse à aproximação da morte.

David estava assustado por não se preocupar, de forma nenhuma, se morria ou vivia. A vida tinha tanto significado quanto a morte; não tinha quaisquer sentimentos de esperança para o futuro. Por que motivo não se importava de morrer? Por que motivo não já não ansiava viver? David sabia que estes pensamentos eram aquilo que o estava a destruir, porém não conseguia evitá-los. Era por isso que estava com medo. Já não tinha controlo sobre si; tinha desistido da vida, sucumbindo aos sentimentos de piedade por si próprio.

Os joelhos de David dobraram-se, e ele caiu por terra. Sabia que não se levantaria. Já não havia mais nada que o fizesse continuar. Tinha esgotado todas as suas forças e estava pronto para morrer ali mesmo.

À medida que o sol o ia esmagando, o Homem das Montanhas apareceu. Vigiava David de perto, com o seu cabelo branco esvoaçando no ar, e David sentiu, de imediato, que o Homem tinha vindo para o ajudar. Todavia, enquanto David o olhava, os seus sentimentos começaram a alterar-se. Os braços do Homem pendiam frouxamente ao longo do corpo como se estivesse muito cansado, os seus ombros já não pareciam tão largos como tinham sido no passado e o seu rosto estava curtido pelo tempo e pela idade. Já nada de extraordinário se manifestava no Homem; não passava de um índio velho ali no meio do deserto. Mas porquê? O que é que lhe tinha acontecido?

A resposta chegou alguns momentos depois. David compreendeu que havia tristeza nos olhos do Homem; a tristeza estava a matá-lo. A tristeza estava a esgotá-lo, transformando-o num velho fraco e, com toda a certeza, iria matá-lo dentro de poucas horas. Este pensamento fez com que David se sentisse ainda pior. Nem mesmo o Homem podia ser feliz neste deserto. David tossiu e cuspiu alguma areia que se tinha alojado na garganta. Depois perguntou num tom abrupto:

Por que veio?

Vim porque precisava de vir respondeu o Homem.

Está aqui para me ajudar?

O Homem assentiu. Não lhe estendeu a mão. David tossiu de novo. Desta vez a tosse feriu o mais fundo da sua garganta ressequida.

— Traz água comigo? Preciso de água. É a única coisa que me pode ajudar neste momento.

O Homem olhou, confuso, à sua volta. Suspirou e após breves instantes comentou:

Há agua por todo o lado. Não a consegues ver?

Não existe água nenhuma! David respirava com dificuldade.

— Se não a consegues ver, então nunca a encontrarás — afirmou o Homem abanando a Cabeça.

Durante mais alguns segundos ainda se manteve perto de David, depois voltou-se e começou a afastar-se. David não conseguiu proferir uma única palavra devido à sua garganta tão seca. Tudo quanto podia fazer era erguer a cabeça e observar o Homem que ia desaparecendo no ar escaldante do deserto.

David fechou os olhos. Tinha sentido a presença do Homem ao seu lado e agora encontrava-se sozinho. Não tinha sido ajudado. No entanto, a presença do Homem levou-o a reflectir na sua vida e no que ela significava. Haveria algo com sentido na sua vida?

Decerto. Havia uma coisa.

Os seus pensamentos voltaram-se para o seu cão. David tinha apenas três anos quando Korak chegara a casa. Tinham crescido juntos. Ao longo de muitos anos, Korak havia tomado conta dele. Conduzira-o com segurança em situações de perigo, ajudava David a encontrar o caminho de regresso a casa quando se perdia. Agora Korak estava a ficar velho. Sofria de artrite nas patas traseiras, e por vezes David tinha tido de o ajudar a subir as escadas. O seu cão precisava dele; David tinha de o proteger. Era uma coisa que só ele podia fazer, pois o cão pertencia-lhe a ele, e apenas a ele. Por um breve momento David sorriu. Daria tudo para voltar a vê-lo mais uma vez.

De repente, e sem qualquer aviso prévio, começou, a chover.

Anúncios