O Sapato do Coração

O Sapato do Coração

Há sempre dois sapatos: o sapato esquerdo e o sapato direito.

O sapato esquerdo calça o coração. O sapato direito joga futebol.

Quando chove, os sapatos dão pontapés na chuva. Quando faz sol, os sapatos dão passeios aos domingos.

À noite, quando tu dormes, os sapatos dão passos pela casa do teu sonho.

Os sapatos, patos, patos, sapa, sapa, sapateiam.

Com saúde, vão até ao fim do mundo. Doentes, vão até ao sapateiro.

Três sílabas apenas: sa-pa-tos.

Mas podem ter quatro sílabas se forem muito pequeninos: sa-pa-ti-nhos. E novamente três se forem muito grandes: sa-pa-tões.

Os sapatos, na gramática, são uns brincalhões.

Brincalhões, merecem brincar. Menino que não meteu os sapatos no frigorífico não merece sorvete no Verão.

Não é asneira, não: são os sapatos no trapézio da imaginação.

Vê lá tu: já houve um sapato com pregos que subiu ao monte Evereste.

Nunca lá estiveste?

Pena: ensina geografia aos teus sapatos até eles ficarem sem tacões.

Enfim… faz tudo com os teus sapatos, sapatinhos, sapatões.

Mas, se um dia endureceres e fores mau sem razão, tira o sapato esquerdo, põe o pé no chão… E ouve descalço o teu coração.

Pedro Alvim
O sapato do coração
Lisboa, Plátano, 1981

Anúncios