Onde está o Jaime? (Milly Molly)

onde está o Jaime

Onde está o Jaime?

Certo dia, na escola, a carteira do Jaime estava vazia.

O Jaime não era desses meninos que ficam na cama por causa de uma gripe ou de uma queda. Não era desses meninos que arranjam desculpas para ficar na cama. O Jaime adorava a escola. Gostava de participar em tudo.

Mas o melhor de tudo era que o Jaime gostava de cultivar plantas.

Tinha sempre alguma coisa a crescer num vaso ou um pacote de sementes no bolso.

Se fosse mandado embora da aula de Matemática, por estar a conversar, escapava-se sempre para ajudar o jardineiro.

Mas o Jaime nunca faltava à escola.

Aquilo era muito, muito estranho.

No dia seguinte, a carteira do Jaime estava outra vez vazia.

… e no outro dia a seguir também.

Quando, no final da semana, a carteira dela ainda estava vazia, Milly, Molly e todos os amigos do Jaime estavam mesmo muito preocupados.

Sentiram-se reconfortados, quando a Professora Adelaide lhes disse que o Jaime devia estar com papeira ou com sarampo. Todos esperavam que ele voltasse depressa para a sua carteira.

Mas, certa manhã, a Professora Adelaide parecia diferente. Sentou-se na pequena cadeira, no meio da sala, e pediu a todos que se juntasse à volta dela.

Explicou com voz suave que o Jaime não ia voltar à escola. Baixinho, contou-lhes que o Jaime tinha sido levado para o hospital e que tinha morrido, em paz, durante a noite.

A Professora Adelaide abriu os braços à volta deles e todos choraram.

A Professora Adelaide não se importou com as lições de Matemática e de Gramática desse dia.

E ninguém teve vontade de cantar ou de brincar durante o recreio.

A Professora Adelaide queria conversar com os seus alunos, responder às suas perguntas e dar-lhes muitos abraços.

Milly e Molly sentiram-se tristes ao ver a carteira vazia do Jaime. Mas também não queriam que a Professora Adelaide a tirasse dali.

Decidiram colocar um ramo de flores na carteira do Jaime e isso ajudou, durante algum tempo. Todos levavam flores dos seus jardins e mantinham o ramo do Jaime sempre muito bonito.

Quando todos estavam preparados, retiraram a carteira do Jaime.

Milly e Molly arrumaram, com muito cuidado, os livros e os objectos do Jaime numa caixa, para a mãe dele levar.

Num cantinho da carteira do Jaime, no meio dos lápis e canetas, Milly e Molly encontraram um pacote de sementes.

Com o acordo da mãe do Jaime, Milly e Molly colocaram as sementes no jardim da escola, num dia quente e cheio de sol.

Regaram e esperaram…

e esperaram e regaram.

Ao décimo segundo dia, uma fila de pequenas plantas verdes começou a romper o solo. Lentamente, todos os dias iam crescendo.

De repente, a planta do meio tornou-se muito mais alta.

Cresceu tanto, que teve de ser atada à vedação. E depois, como se fosse milagre, de um dia para o outro… floriu um grande girassol com uma face redonda e risonha! Milly, Molly e todos os amigos do Jaime ficaram muito contentes.

O Jaime estava de volta, no meio de todos os seus amigos.

Gill Pittar
Milly Molly – Tomo II
Rio de Mouro, Everest Editora, 2006

Anúncios